Francês básico: entenda as contrações entre preposições e artigos na língua francesa

Salut à tous!!! Na língua portuguesa, temos duas formas de unir certas palavras a fim de formar um só vocábulo: combinação e contração.

Na primeira, a preposição não sofre alteração (preposição a + artigo o = ao). Na segunda, temos uma modificação (preposição de + artigo o = do). Pois bem, após essa breve lembrança da contração no português, vamos aprendê-la em outra língua, o francês.

Estudar a gramática de uma língua facilita o processo de comunicação. É crucial, portanto, aprender as normas para fazer a conversação fluir de vezLes articles contractés é um assunto bastante simples. Logo, se encaixa no francês básico.

No entanto, é sempre um pesadelo para a maioria dos estudantes. Temos dúvidas gramaticais até mesmo na nossa língua materna. É essencial, por isso, estar sempre com os livros em mãos.

Quer conhecer as contrações que existem entre preposições e artigos no francês? Então, boa leitura!

Contrações com preposições à de

Você lembra que, em português, há contrações que ocorrem com as preposições a, de, em e por? No francês, é bem mais simplificado, visto que só há contrações com duas preposições: à e de.

Veja como essas contrações acontecem e conheça alguns exemplos:

  • de + la = de la – Tu viens dlmontagne (da montanha);
  • de + le = du – La porte du bureau (do escritório);
  • de + les = des – Les jambes des oncles (dos tios).

Percebeu que o plural de ambas é “des”? No terceiro exemplo acima, temos uma frase no plural: Les jambes des oncles. Portanto, é preciso usar o “des”. Como ficaria a segunda frase no plural, então? É simples: La porte des bureaus.

  • à + la = à la – Je vais à la pharmacie (à farmácia);
  • à + le = au – Je vais au poste (ao correio);
  • à + les = aux – Il va aux États-Unis (aos Estados Unidos).

Quanto às contrações feitas com a preposição “à”, temos o plural “aux”. A segunda frase, por exemplo, se estivesse no plural, ficaria assim: Je vais aux postes. Fácil, não é mesmo?

Só para lembrar: Os artigos definidos “le”, “la” e “les” são, respectivamente, o nosso “o” (usado para singular e masculino), “a” (usado para singular e feminino) e “os”/“as” (usado para plurais – no francês, quando o nome é plural, não há distinção entre feminino e masculino).

Élision

Existe uma particularidade que precisa ser entendida. Quando os artigos le e la precedem palavras que iniciam com uma vogal ou com uma letra “h” muda, eles viram “l”.

Essa característica é conhecida por élision. Veja alguns exemplos:

  • Une femme de l’administration (da administração).

Como administration é uma palavra feminina, seria “de la”, não é mesmo? No entanto, aprendemos que, quando o substantivo que vier depois do artigo for iniciado com vogal, teremos uma élision.

  • Une femme de l’institut (do instituto)

Nesse caso, como a palavra “institut” é masculina, teríamos um “du”, certo? Mas, como ela inicia com uma vogal “i”, temos novamente uma élision.

Observe outros exemplos com a contração à:

  • Je vais à l’école (à escola);
  • Je vais à l’hôpital (ao hospital);
  • Il va à l’aéroport (ao aeroporto).

à do francês não é a crase do português

Tenha cuidado para não confundir o “à” do francês (nosso “a” em português) com a crase que, na nossa língua é a contração da preposição “a” com os artigos femininos “a” e “as”. Lembre-se que, no francês, a contração é feita com a preposição “à” com os artigos femininos “la” e “les”.

Percebe-se que é um assunto do francês básico, mas que exige determinação e comprometimento para entender as regras, assim como acontece em nossa língua. Assim, é essencial que o aluno esteja preparado para uma rotina de estudos e também para investir em uma boa escola de francês. E uma dica: não tente decorar as regras. Trabalhe para entendê-las! Bonne chance!

E aí, gostou do post sobre as contrações no francês? Então, siga nossas páginas nas redes sociais e acompanhe nossas novidades. Estamos no Facebook, no Twitter e no LinkedIn

FO_CTA_eBook10_AprenderIdiomas

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer entrar na discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.